onselectstart='return false'

*

FELIZ PÁSCOA!!!!!!!!

terça-feira, 21 de julho de 2009

30 perguntas e respostas sobre a "gripe suína"

1.     Qual a diferença entre a gripe comum e a Influenza A (H1N1)?
Elas são causadas por diferentes subtipos do vírus Influenza. Os sintomas são muito parecidos e se confundem: febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza. Por isso, não importa, neste momento, saber se o que se tem é gripe comum ou a nova gripe. A orientação é, ao ter alguns desses sintomas, procure seu médico ou vá a um posto de saúde. É importante frisar que, na gripe comum, a maioria dos casos apresenta quadro clínico leve e quase 100% evoluem para a cura. Isso também ocorre na nova gripe. Em ambos os casos, o total de pessoas que morrem após contraírem o vírus em todo o mundo é, em média, de 0,5%.

2.     Quando iniciou esta situação de uma nova doença no mundo?
Em 24 de abril foi dado o primeiro alerta da OMS (Organização Mundial de Saúde) sobre a Gripe A.

3.     Existe transmissão sustentada do vírus da Influenza A (H1N1) no Brasil?
Em 16 de julho, o Ministério da Saúde recebeu a notificação do primeiro caso de transmissão da Influenza A (H1N1) no Brasil sem o vínculo de pessoas que tinham contraído a doença no exterior ou pego de quem esteve fora. Trata-se de paciente do Estado de São Paulo, que morreu no último dia 30 de junho. Esse caso nos dá a primeira evidência de que o novo vírus está em circulação em território nacional.

4.     Quando eu devo procurar um médico?
Se você tiver sintomas como febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza, procure um médico ou um serviço de saúde, como já se faz com a gripe comum.


5.     O que fazer em caso de surgimento de sintomas?
Qualquer pessoa que apresente sintomas de gripe deve procurar seu médico de confiança ou o serviço de saúde mais próximo, para receber o tratamento adequado. Nos casos de agravamento ou de pessoas que façam parte do grupo de risco, os pacientes serão encaminhados a um dos 68 hospitais de referência espalhados por todo o país (totalizando cerca de 900 leitos de isolamento, se caso for necessário).

6.     Por que o exame laboratorial parou de ser realizado em todos os casos suspeitos?
Com o aumento do número de casos no país, a prioridade do sistema público de saúde é detectar e tratar com a máxima agilidade os casos graves e evitar mortes.

7.      Qual é o período de incubação do vírus?
Em média de 5 a 7 dias e os sintomas aparecem quase imediatamente.
8.       De que forma o vírus entra no corpo?
Por contato ao dar a mão ou beijar-se no rosto e pelo nariz, boca e olhos.

9.       Qual é a forma de contágio mais eficiente deste vírus?
A via aérea não é a mais efetiva para a transmissão do vírus, o fator mais importante para que se instale o vírus é a umidade, (mucosa do nariz, boca e olhos) o vírus não voa e não alcança mais de um metro de distancia.

10.    É fácil contagiar-se em aviões?
Não. É um meio pouco propício para ser contagiado.
11.   Quando se inicia o contagio, antes dos sintomas ou até que se apresentem?
Desde que se tem o vírus, antes dos sintomas.
12.   Qual é a probabilidade de recair com a mesma doença?
De 0%, porque fica-se imune ao vírus suíno.
13.   Onde se encontra o vírus (no ambiente)?
Quando uma pessoa portadora espirra ou tosse, o vírus pode ficar nas superfícies lisas como maçanetas, dinheiro, papel, documentos, sempre que houver umidade.
14.   Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa?
Até 10 horas.

15. Quais os critérios de utilização para o Oseltamivir ("Tamiflu")?
Apenas os pacientes com agravamento do estado de saúde nas primeiras 48 horas, desde o início dos sintomas, e as pessoas com maior risco de apresentar quadro clínico grave serão medicados com este antiviral.

16. O medicamento está em falta?
Não. Segundo o Ministério da Saúde, há estoque suficiente de medicamento para tratamento dos casos indicados. Além de comprimidos para uso imediato, há matéria-prima para produzir mais nove milhões de tratamentos.

17.  A água de tanques ou caixas de água transmite o vírus?
Não, porque contém substâncias químicas e geralmente está clorada.

18.  O que faz o vírus quando provoca a morte?
Uma série de reações como deficiência respiratória, sendo a pneumonia severa um dos
diagnósticos mais frequentes.

19.  Se vou ao velório de alguém que morreu desse vírus posso me contagiar?
Não.
20. Serve para algo tomar Vitamina C?
Não serve para prevenir o contagio deste vírus, mas ajuda a resistir ao seu ataque.
21.  Uma gripe convencional forte pode se converter em influenza?
NÃO.

22.  O que mata o vírus?
O sol, mais de 5 dias no meio ambiente, o sabão, os antivirais, álcool em gel.

23.  Quais os fatores de risco para complicações por Influenza?
Segundo o Protocolo de Manejo Clínico e Vigilância Epidemiológica da Influenza do Ministério da Saúde, temos os seguintes fatores de risco:

Idade - inferior a 2 anos ou superior a 60 anos de idade;
Imunodepressão - pacientes com câncer, em tratamento para AIDS ou em uso regular de
medicação imunossupressora (reduz a resposta imunológica do organismo);
Condições crônicas - portadores de hemoglobinopatias, diabetes mellitus, cardiopatia,
pneumopatias e doenças renais crônicas;
Gestação

24. Como eu posso me prevenir da doença?
Além de evitar locais com aglomeração de pessoas, alguns cuidados básicos de higiene ainda podem ser tomados, como: lavar bem as mãos frequentemente (mais de 10 vezes por dia) com água e sabão; evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies; não compartilhar objetos de uso pessoal; guardar uma distância mínima de 1 a 1,5 m de distância das pessoas infectadas ou doentes com o vírus H1N1 e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

25.  O álcool em gel é efetivo?
SIM, muito efetivo, pois torna o vírus inativo e o mata.

26.  É útil a máscara para cobrir a boca?
Existem alguns tipos de máscara de maior qualidade que outros, tendo uma eficácia mínima de 95% de filtragem de partículas de até 0,3µ (tipo N95, N99, N100, PFF2 ou PFF3), mas se você não está doente é pior, porque os vírus pelo seu tamanho o atravessam como se este não existisse e ao usar a máscara, cria-se na zona entre o nariz e a boca um microclima úmido próprio ao desenvolvimento viral: mas, se você já está infectado, use-o para não infectar aos demais.

27.   Posso tomar ácido acetilsalicílico (aspirina)?
Não é recomendável, pois pode ocasionar outras doenças, a menos que você tenha prescrição por problemas coronários (nesse caso, siga tomando!).

28.  Se estou vacinado contra a influenza estacional sou inócuo a este vírus?
Não. Ainda não existe vacina para este vírus.
29.  Aquele que se infectou deste vírus e se curou, fica imune?
Sim.
30.  Pode-se comer carne de porco?
Por conta do risco de se contaminar com a Gripe A, a resposta é sim. Não há nenhum risco
de contágio.

*Obs.: Este é documento validado pela Coordenação Nacional da Pastoral da Saúde e que foi baseado em documento similar da REDESUS Gripe A - Utilidade Pública, Esclarecimentos do
Ministério da Saúde e no Protocolo de Manejo Clínico e Vigilância Epidemiológica da
Influenza.

Coordenação Nacional da Pastoral da Saúde

0 comentários:

INDICADORES